Crônica: “Domingo”

Ela se aproximou da mesa e, durante alguns segundos todo som que ecoou pela sala foi o dos tacos rígidos de seus saltos vermelhos. Logo, o burburinho da fila retomou o fôlego, permitindo que alguns homens tecessem os comentários a respeito daquele corpo esguio que se delineava sob um leve vestido Animale. Justiça seja feita, o calor era insuportável e o perfume fresco.
A moça seguiu o ritual confiante, entregou o documento com a mão firme, fechando a bolsa, para logo em seguida tornar a abrir. Mas nenhum detalhe abalava sua confiança.
Aproximou-se da urna com um sorriso discreto e, sem tirar os óculos Christian Dior digitou rapidamente os números dos deputados federal, estadual, senadores, governador… O botão verde era acionado com rapidez, o mesário pensou consigo “deve ser bancária”, um dos rapazes da fila sorriu satisfeito um “finalmente alguém que sabe usar essa merda de urna”, a senhora suada resmungou “ninguém presta mesmo, vou anular” e os dois homens esperavam ansiosamente pela oportunidade de elogiar de alguma maneira a princesa que sabia votar.
A tela da urna pedia dois dígitos e a moça sentiu que a mão tremia. Ajeitou os óculos, respirou fundo e foi assim mesmo com o indicador vacilante em direção ao número um. Suas pernas tremiam. Respirou demoradamente e resolveu tirar os óculos. É preciso ver a foto do mito com nitidez. Lembrou da filha, da mãe, da avó que teve um AVC há menos de um mês, da conta do colégio que vai vencer dia 10, mas hoje já é dia 7, a vida passa num piscar de olhos, e ela piscou, tornou a piscar, apertou os olhos e digitou o sete, surpresa por notar que todo seu corpo tremia, suas mãos estavam molhadas, “seria sangue? Que droga, onde foi que lasquei a unha?”
Olhou o rosto do candidato e refletiu sobre a ética. Ficha limpa. Deve ser. O Brasil precisa disso. Vamos disciplinar os jovens. Bandido bom é bandido morto, ou preso, bem preso, tem que acabar com essa putaria toda. “Menina, olha a boca. Cadê seu vocabulário? E se sua filha te ouve falar assim?” Olhou mais uma vez para o candidato e sua mão retomou certo vigor. Nos piores momentos é que revelamos quem somos lá dentro. Esse homem vai ter poder. Minha filha escutou ele dizer algo como “você não merece nem ser estuprada…”
“Mamãe, o que significa estuprada”?
Engoliu seco de novo. Aquela vez, na frente da filha. Dessa vez, na frente da urna. Atrás do biombo. Ainda bem.
Será que o ódio pode se multiplicar? Não, ele não terá poder para isso. Temos que parar o PT a qualquer custo. Aquela vadia defendia bandidos… O que você queria que ele fizesse? Citasse Platão? Sim, Platão! “Muitos odeiam a tirania apenas para que possam estabelecer a sua.“ – lembrou-se de um aforismo que lera na apostila da filha.
Esse filho da puta deveria ter respondido com mais sabedoria. Nessa e em outras várias situações.
Pensou em si mesma. Arriscou uma olhadela pelo biombo e um rapaz que se coçava a fitou com lascívia. Pensou em si.
Inevitável, ocorreu que algum monstro pudesse tocar sua criança.
Onde estará nossa segurança?
Daremos armas a todos, mas quem dará a moral?
Faremos tratados com quem?
Quero mesmo me defender de alguns imbecis com armas, sendo que posso educar as próximas gerações para que haja menos imbecis?
Lembrou que em casa, a filha sorria. Estava segura.
Alguém na fila vociferava e ela apertou o botão.
CORRIGE.
A foto desapareceu.
Ela colocou os óculos e o melhor sorriso. Sempre há tempo.
Refez o voto e o semblante, apertou o verde com a confiança que a consciência oferece aos justos quando a carga é menor.
A fila seguiu em frente.

Seja Sol

— Mestre, qual o segredo para uma vida plena?
— Simples. Seja como o sol.
— Mas mestre, não é tão simples assim. Como iluminar o mundo tão obscurecido pelos vícios? Como aquecer os corações de todas as formas vivas? Como desenvolver tamanha sabedoria e tão notáveis poderes?
— Tolo! De onde tirou tais ideias?
— Mestre, com todo respeito, o senhor acabou de exortar-me a ser como o astro rei!
— Pois então obedeça! Seja como ele! Seja como o sol!
— Oh mestre, colocai em termos mais práticos para esse humilde aprendiz!
— Prestenção: Quer uma vida plena? Seja como o sol. Levante cedo e faça o seu serviço.

O Grande Mestre

À procura do Grande Mestre, pela sétima vez o buscador entrou no templo onde dezenas de monges meditavam no átrio, com suas vestimentas simples, porém impecáveis. Silenciosa e respeitosamente, um homem velho limpava o piso com um esfregão, tarefa que foi interrompida quando o neófito lhe perguntou:

— Bom dia. Nos últimos dias vi o senhor fazendo a limpeza e  jardinagem à volta do templo… Trabalha aqui há muito tempo?

— Sim. — e retomou a tarefa.

— Desculpe a interrupção, mas é que tenho vindo dia após dia em diferentes horários em busca do Grande Mestre, mas nunca o encontro.

— Oh! — fez o faxineiro interrompendo a tarefa e apoiando os braços na haste da mopa. — O Mestre anda sempre tão ocupado…

— Sim, mas desejo muito falar com ele. Venho de longe em busca dos ensinamentos dele, pois a fama da enorme sabedoria desse líder tem se espalhado como as sementes de dente-de-leão ao vento… Já faz sete dias que venho…

— Não me lembro de lhe ver aqui na segunda. — interrompeu o faxineiro.

— Pois eu estive aqui pela manhã, quando o senhor varria o pátio do templo, não se lembra?

— Ah… Tem razão. Desculpe-me, tenho a memória tão fraca… E depois?

— Retornei na terça-feira. Duas vezes.

— Não recordo… Acho que terça foi meu dia de folga.

— De maneira alguma. Deve ter sido o dia que o senhor mais trabalhou! Esteve o dia todo cruzando o pátio com um balde de madeira que levava ao poço e trazia cheio até o alojamento. Ainda lhe vi estendendo roupas no varal pouco antes do meio dia e voltando para as recolher quando o sol estava se pondo. Disseram-me que o Grande Mestre costuma ficar a sós no Templo às terças, por isso fiz plantão aqui.

— Acho uma lástima o Mestre ser tão ocupado… Um bom dia para conversar com ele é a quarta-feira…

— Mas quarta-feira o senhor mesmo me disse que ele só poderia atender no domingo! Não se lembra?

— Não…

— Como não? Conversamos lá fora!

— Onde?

— Na horta onde o senhor colhia uns tomates.

— Ah, tem razão. Quarta eu estive fazendo a jardinagem e adubando a horta. Agora me lembro, havia belos tomates. Hum… Isso me lembrou uma coisa… Preciso ir para a cozinha, estou atrasado! Vou preparar uma sopa de legumes para os monges, que estão meditando há horas. Além do mais, hoje é domingo, sempre gostam de um bom caldo aos domingos. Até logo!

Dizendo isso o velho se retirou.

O buscador esperou por algumas horas, até que o primeiro monge se levantou e veio em sua direção. Mal se cumprimentaram, o monge perguntou:

— O que faz aqui, jovem?

— Vim em busca do Grande Mestre. Será que pode me levar até ele?

— Sim, será um prazer. Venha.

O monge guiou o rapaz até o refeitório, onde o velho colocava sobre a mesa tigelas cheias de sopa.

— Mestre, esse rapaz deseja conversar com o senhor. — disse o monge ao cozinheiro fazendo uma breve reverência.

O velho sorriu para ambos:

— Será um prazer, embora eu pense que já conversamos o suficiente. Sente-se, jovem buscador. Permita-me servir-lhe um pouco de sopa.

e4094bb984ecd3fc63da9659478dc12d--buddhist-teachings-buddhist-monk.jpg

Colação de Grau

Tive um sonho estranho essa noite.
Eu fazia parte de uma pequena turma que receberia o diploma do curso de Letras. Poucos formandos, mas o público que assistia era imenso, todos chorando em desespero e gritando “não” a cada formando que se aproximava da mesa para receber o canudo.
Uma família discutia, o pai defendendo que o filho deveria repensar, ainda “dava tempo”, poderia colar em alguém importante, virar deputado, fazer a vida, mas não: estava ali, pronto a dar o passo mais burro da vida. A mãe, pobrezinha, chorava e dizia aos soluços que “não criou o filho para aquele destino… Noites em claro, esquentar mamadeira de madrugada, sofrer junto com as febres.. E a catapora? Quanto sofrimento, quanta dedicação, para nada! Tinha que ser doutor. Ficar rico.”
E a cada diploma entregue, a torcida urrava como se urra em um estádio de futebol quando o melhor batedor erra um pênalti.
Mas eu fui salvo.
Chegada a minha vez, o reitor me cravou os olhos e bravejou:
– O que você faz aqui, seu incompetente? – e se virou furioso para um professor de sintaxe:
– Esse imbecil erra regência até hoje. Que vá escrever mal assim no inferno, talvez lá ele mereça ser diplomado! – e rasgou meu diploma impiedosamente.
O público comemorou eufórico.
Fui carregado nos braços por todas aquelas famílias. Atiravam-me para o alto e me acolhiam calorosos em seus braços, parecia um final de campeonato com goleada, e o artilheiro do time era eu.

Um dia para recordar

wp_20161019_12_15_44_pro

Trinta anos atrás, formaram nesse local duas filas com as pequeninas crianças em primeira idade escolar: As meninas à esquerda e o os meninos à direita, todos apreensivos aguardando a chegada da professora. Tudo parecia muito grande e misterioso, afinal, ninguém sabia ao certo o que realmente aconteceria dentro da tal sala de aula. Pelo menos essa era a impressão de um dos meninos que estava entre os últimos da fila, bem ao lado de um canteiro com margaridas. A impaciência venceu o temor e a timidez do garoto que, com seu passo vacilante aproximou-se das margaridas e começou a despetalar uma flor, de maneira discreta e sem maldade, como um passatempo qualquer de criança.

Até que a professora chegou.

O menino parou assustado, temendo ser repreendido. Cláudia Dias, a jovem professora, apenas distribuiu sorrisos e cumprimentos, até tomar a dianteira da fila e conduzir os alunos ao primeiro dia de aula.

Dali em diante, todo o temor do menino se desvaneceu como as pétalas do jardim, que, de primavera em primavera se renovou. E de primavera em primavera, novas filas de alunos chegaram, novos mestres, novos tempos.

Retornei hoje ao colégio e, enquanto esperava o sinal para entrar na sala de aula, olhei pela janela e revi esse cenário, que fotografei. Revi o menino que esperava pela professora, um pouco assustado e ansioso, despetalando inocentemente uma das margaridas. Eu era aquele menino. De novo. Pois hoje eu não sabia ao certo o que aconteceria na sala de aula.

No sorriso que recebi de cada colaborador que me deu bom dia, pude ver o sorriso de tia Cláudia. Não há o que temer, pensei.

O sinal tocou.

Antes de ir conhecer meus alunos, lancei um último olhar sore a primeira sala de aula de minha vida e, para minha surpresa, no jardim tinha um canteiro com margaridas, no mesmo lugar.

Mentalmente, arranquei uma pétala “para dar sorte”, enxuguei minhas lágrimas e fui para a sala de aula.

 

 

Há um blues em cada esquina

WP_20160310_13_34_55_Pro.jpg

Existe um blues escondido em cada tapa
E nos olhos que se abrem de manhã sem ver um pão
Em cada dose que abrevia a vida ingrata
Existe um blues em cada esquina esperando uma canção

Está nos pés descalços que sangram na calçada
Está no corpo dolorido que não conhece um colchão
Está na fome que atravessa a madrugada
Existe um blues em cada esquina esperando uma canção

O jornal já não sente o que retrata
Enquanto algum poeta espera pela inspiração
Todos os dias a polícia morre e mata
Enquanto o blues de cada esquina não encontra uma canção

Está no corpo da menina explorada
Está na vida limitada pela falta de instrução
E tudo isso ecoa pela madrugada
Existe um blues em cada esquina esperando uma canção

O egoísmo e a intolerância matam
O poeta é um verme rastejando pelo chão
Num banquete os políticos se fartam
Eu ouço um blues em cada esquina, esperando uma canção