FLIPOÇOS 2016

No dia 03 de maio estarei na 11ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas/MG, compondo a mesa do momento poético ao lado do poeta Maurício Vieira. O nome da mesa é “Orfeu do Blues: da poesia grega aos menestréis do Mississippi.” Creio que o nome já transmite uma ideia bastante ampla sobre como se desenrolará esse bate papo, mas vale lembrar que haverá um violão ou dois, um bottleneck e alguns bons e velhos riffs do delta blues!

Ah, para a ocasião, Maurício e eu escrevemos um poema em parceria, que já adiantarei aqui no blog. Um Blues para Mariana:

Daqueles olhos cheios d’água
Uma lágrima desceu em seus lábios
Lábios que são pétalas de rosa,
A lágrima virou orvalho

Eu pensava em levá-la para longe
Dos homens que só a machucavam
Sem carinho só promessas
Cada dia um pouco mais

Toda aquela água me lembrava o mar
Olhos tempestuosos onde navegar eu temia
Quisera eu poder interromper aquela mágoa,
Com meu dedo no dique, estancar sua ferida

Mas suas fissuras eram profundas demais
De tanta pressão daqueles homens sem amor
Um dia ela simplesmente não aguentou mais
As águas de mariana se fizeram mar

  II

Ah, Mariana! Quem te viu, quem te vê
Que sina insana te feriu, e por quê?
Emprestaste ao mundo tua beleza
Em troca, recebeste apenas desprezo

Tua beleza natural foi maquiada
Aniquilada a troco de nada
Sugaram tuas riquezas
Teus anos dourados

Quantos bilhões valeriam teus olhos?
Pois eu daria o ouro do mundo inteiro
Para devolver-te o brilho de outrora.

Sim, eu daria minha vida
Minha poesia leviana
Só para ver sorrir Mariana

teaser_2

tragédia

uma rolha explodiu na Borgonha
no exato momento em que a faca
desceu lacerando com indizível indecência
uma bela peça de picanha

e a criança segue chupando o peito murcho
de uma mãe sem carne, sem vida, sem cor.
gente que de tanto sofrer talvez nem mais saiba
o significado da palavra dor

há mais de mil motivos para o sommelier
indicar determinado carménère
no momento em que mais de mil somalis
morrem de fome em um lugar qualquer

alguém chuta uma bola
no momento em que alguém chuta o cão
uns pedem empréstimo, outros esmola
outros choram por uma nação

apertam mãos, botões, gatilhos,
matam bichos e multidões
enquanto alguns planejam filhos
e outros, revoluções.

a tragédia é anunciada como fato isolado
e os internautas discutem excitados
qual tragédia é mais digna de oração
qual bandeira vestir

qual a melhor solução
zapear de canal
no momento em que um homem bomba
também pode apertar um botão

no momento em que a rolha estoura
uma bomba explode no Afeganistão
o mundo todo sangrando chora
quando a faca desliza e degola um irmão

nesse exato momento
um se levanta, outro cai
mãos afagam ou matam,
pau entra, pau sai

e a vida segue trágica
como sempre foi
como sempre será
sem vida, sem mágica
sem graça,
sem nada.